Notícias UNIPAC

Alunos e professores da Enfermagem realizam ações do Maio Amarelo

Com o tema “Nós somos o trânsito”, os alunos do curso de Enfermagem do UNIPAC Barbacena realizaram um evento referente ao movimento Maio Amarelo esta semana. Coordenadas pelo professor Ronaldo Adriano Silva Araújo, as ações tiveram o objetivo de fomentar na sociedade acadêmica e motoristas do campus Barbacena discussões e atitudes voltadas à necessidade urgente da redução do número de mortes e feridos graves no trânsito.

Os professores envolvidos e os acadêmicos do curso de Enfermagem promoveram ações educativas e de conscientização, com apresentação de palestra e blitz educativa. A palestra foi voltada para os motoristas de ônibus e vans que frequentam o campus do UNIPAC Barbacena. Também houve uma caminhada, a simulação de trauma com manequins vivos e um teatro mudo com a distribuição de laços pelo campus.

O tema “Nós somos o trânsito” do movimento Maio Amarelo foi discutido com a Associação Nacional de Detrans (AND) e apresentado em reunião do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) junto à Prefeitura Municipal de Barbacena, à Coordenação de Vigilância em Saúde e professores representantes do curso de Enfermagem do UNIPAC. O tema anual de 2018 propõe o envolvimento direto da sociedade nas ações e propõe uma reflexão sobre uma nova forma de encarar a mobilidade. Trata-se de um estímulo a todos os condutores, seja de caminhões, ônibus, vans, automóveis, motocicletas ou bicicletas, além de pedestres e passageiros, a optarem por um trânsito mais seguro.

De acordo com o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, os acidentes não acontecem aleatoriamente, são frutos de escolhas inadequadas e arriscadas. Para José Aurélio Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO e idealizador do Movimento Maio Amarelo, 90% dos acidentes têm como motivação as falhas humanas como imperícia, imprudência e desatenção. “Somos os responsáveis pelos nossos atos no trânsito e ter consciência clara disso é um dos caminhos para a reversão do triste cenário não só do Brasil, mas de todo o mundo”.